HIPERTROFIA E VOLUME SEMANAL DE TREINO
5 de agosto de 2016
OS BENEFíCIOS DA L-CARNITINA NA MUSCULAçãO
11 de novembro de 2016

PALATINOSE E INSULINA

Palatinose Black Skull USA™ - Special Forces Nutrition

A Palatinose é um carboidrato que vem sendo muito falado como uma alternativa entre os carbos rápidos, de alto índice glicêmico e os carbos lentos, complexos, de baixo índice glicêmico!

Parece uma alternativa bastante interessante, mas, quer saber mais detalhes???

O que é Palatinose?

Palatinose ou Isomaltulose é açúcar diferenciado, com características parecidas com as de açúcar simples como seu aspecto e sabor, mas, ao mesmo tempo, com característica de um açúcar complexo como o amido ceroso.

A Palatinose é  um dissacarídeo (dois monossacarídeos) composto de glicose e frutose, geralmente produzido através do processamento enzimático da sacarose.  Ela também está presente no mel e na “garapa” o tradicional caldo de cana.  (Siddiqui and Furgala, 1967; Low and Sporns, 1988; Ba´ rez et al., 2000)

Pra que serve….

Os carboidratos tem o papel básico de fornecer energia para os seres humanos. Esse processo envolve a digestão dos alimentos ricos em carboidratos ou mesmo dos carboidratos propriamente ditos e sua absorção. Embora esse processo pareça simples, alguns parâmetros são importantes como a quantidade, o tipo, o tamanho, a quantidade de fibras e o momento da ingestão. (Achten et al., 2007)

O carboidrato é o principal combustível para os exercícios de alta intensidade, portanto, uma maior disponibilidade de carboidratos quer dizer a capacidade de manter o exercício intenso por mais tempo ou fazer o exercício com ainda mais intensidade.

Por isso os carboidratos em gel, as bebidas ricas em carboidrato e os isotônicos são tão populares e ao mesmo tempo tão eficientes!

A Palatinose é especial pois é um carboidrato pequeno de digestão fácil (quando comparada a carboidratos complexos como o amido) mas de baixo índice glicêmico, ou seja, um carboidrato que pode fornecer energia rápido mas que não atrapalha o controle do apetite.

Como funciona….

Digestão e disponibilidade pra utilização

A quantidade e o momento de ingestão, que implicam na velocidade de digestão e disponibilidade do combustível, são elementos fundamentais quando pensamos no carboidrato usado pra melhorar o desempenho esportivo.

Uma revisão de literatura publicada por Jeukendrup (2004) categorizou os carboidratos em alta oxidação até 1g/min e baixa oxidação 0,6g/min. A Glicose é a referência de alta oxidação e a sacarose, a maltose e a maltodextrina (a famosa) também são oxidadas em alta velocidade (aproximadamente 1g/min). A Frutose e a Galactose por sua vez, são queimadas mais devagar, e isso está ligado a conversão delas a lactato e glicose pelo intestino e pelo fígado antes de torná-los disponíveis para a oxidação.

A Palatinose/Isomaltulose é digerida por um complexo enzimático, a sucrase-isomaltase, localizada no intestino (Lina et al., 2002). Esse complexo digere a Palatinose gerando glicose e frutose, que são absorvidas pelo intestino. Esse passo é o diferencial entre a Palatinose e os outros carboidratos “pequenos”.

Índice glicêmico e controle do apetite

Assim, o tamanho da molécula a torna um carboidrato simples, com diversas vantagens, mas sua estrutura química lhe dá características de um carboidrato complexo, com um baixo índice glicêmico.

Um índice calculado a partir da velocidade de absorção dos carboidratos do intestino para a corrente sanguínea. Em geral, podemos pensar que os carboidratos simples, os menores, são absorvidos mais rápido, tendo maior índice glicêmico, fornecendo pouca energia, mas de maneira rápida. De maneira oposta, os maiores carboidratos, os complexos, tem índice glicêmico mais baixo, fornecendo mais energia, mas de maneira mais lenta.

Ao mesmo tempo, o consumo desregrado de carboidrato simples tem influência sobre o controle do apetite uma vez que esse carboidrato promove liberação de insulina e uma alta flutuação desse hormônio (como em quem come “beliscando” o dia todo, especialmente alimentos ricos em carboidratos simples como doces, biscoitos etc..) atrapalha no controle do apetite (Flint et al., 2007).

A Palatinose é um carboidrato de índice glicêmico baixo, sendo liberado no sangue mais lentamente que os demais carboidratos pequenos, assim, ela é capaz de fornecer energia quase tão rápido quanto os demais carboidratos simples (como a maltodextrina) mas sem liberar tanta insulina como os outros, e assim, sem gerar o efeito “montanha russa” de controle do apetite que atrapalha tanto a adesão ao plano alimentar.

Faz mal, tem efeitos colaterais?…

A Palatinose é um carboidrato seguro, e por conta do seu índice glicêmico baixo, pode até mesmo ser usado por indivíduos com diabetes tipo II.

Não existem efeitos colaterais registrados para o uso da Palatinose, no entanto, seu uso deve ser encaixado no contexto do plano alimentar prescrito pelo nutricionista para que os resultados desejados sejam alcançados.  Uma curiosidade é que a Palatinose não é processada na boca, então ela é um “açúcar” que pode ser consumido sem preocupação com cáries ou com a formação de placas bacterianas (Lingstrom et al., 1997).

Na prática

Na prática a Palatinose é um carboidrato simples que pode fornecer energia rápida (não tanto quanto a glicose, mas bem mais que o amido) mas que pode, com facilidade, ser usado em dietas de controle do apetite, por conta de ter baixo índice glicêmico. É o melhor dos dois mundos!

 

Palatinose vs Sacarose

Curva de Índice Glicêmico da Sacarose vs Palatinose

Por Érico Caperuto

Referências Bibliográficas

Siddiqui, I.R., Furgala, B., Isolation and characterization of oligosaccharides from honey. Part I. Disaccharides. Journal of Agricultural Research 6, 139–145, 1967.

Low, N.H., Sporns, P., Analysis and quantitation of minor diand trisaccharides in honey, using capillary gas chromatography. Journal of Food Science 53, 558–561, 1988.

Ba´ rez, J.A.G., Villanova, R.J.G., Garcia, S.E., Pala, T.R., Pa ramas, A.M.G, Sa´ nchez, J.S. Geographical discrimination of honeys through the employment of sugar patterns and common chemical quality parameters. European Food Research and Technology 210, 437–444, 2000.

Achten JJentjens RLBrouns FJeukendrup AE. Exogenous oxidation of isomaltulose is lower than that of sucrose during exercise in men. J Nutr.  May;137(5):1143-8, 2007.

Jeukendrup AE. Carbohydrate intake during exercise and performance. Nutrition. 2004;20:669–77, 2004.

Lina BAJonker DKozianowski G. Isomaltulose (Palatinose): a review of biological and toxicological studies. Food Chem Toxicol. Oct;40(10):1375-81, 2002.

Flint AGregersen NTGluud LLMøller BKRaben ATetens IVerdich CAstrup A. Associations between postprandial insulin and blood glucose responses, appetite sensations and energy intake in normal weight and overweight individuals: a meta-analysis of test meal studies. Br J Nutr. 2007 Jul;98(1):17-25. Epub 2007 May 25.

Lingstrom P, Lundgren F, Birkhed D, Takazoe I, Frostell G. Effects of frequent mouthrinses with palatinose and xylitol on dental plaque. Eur J Oral Sci. 105:162–9, 1997.

Fonte: http://exerciencia.com.br/2016/08/03/palatinose-um-carboidrato-nao-muito-amigo-da-insulina/